A quem votas, votando a Miguel Anxo Abraira!

A quem votas, votando a Miguel Anxo Abraira!

euBusca a tua mesa de votação no seguinte enlace:

http://polaunion.gal/wp-content/uploads/2015/11/MESAS-A-CORU%C3%91A.pdf 
O MEU PASSADO.

O meu nome é Miguel Anxo Abraira Sobrado, vivo na paróquia de Calhovre no Concelho de Minho, tenho 46 anos, casado, um filho e uma filha galego falantes e são autónomo sendo o proprietário duma pequena conserveira de vegetais que elabora cebola para fazer empanadas (vendemos-lhe a panarias e pastelarias). A minha companheira trabalha, também como autónoma, a nossa Casa Pousadoira que é uma das primeiras casas de turismo rural de Galiza (há mais de 20 anos). Empeço falando do meu trabalho porque considero importante indicar a minha implicação ativa com o desenvolvimento rural. Implicação que não só tem a ver com o meu jeito de vida senão também com o meu jeito de sentir a Galiza.

O meu compromisso com a atividade política e o ativismo social despertou em mim bem cedo. Quando apenas tinha 14 anos houve dois circunstâncias que marcarão profundamente o meu jeito de ser. Um deles foi a resposta das “forças vivas” do meu concelho de nascimento (Meira-Lugo) a uma pintada que fixem as agachadas e de noite no centro de ensino de EXB para demandar ensino em galego. A resposta foi implicar as pintadas com um roubo que se fiz no mesmo centro um par de dias depois de ter feito eu as pintadas. O segundo caso foi o problema familiar que vivem quando na derradeira greve geral convocada pela ING, eu sozinho fixem de piquete informativo na vila de Meira.

Cursei os estudos de bacharelato na Universidade Laboral de Gijón em regime de interno. Neste centro intentei de jeito falhado fazer uma organização de alunos galegos. No segundo de bacharelato deu-se um movimento estudantil a nível de todo o Estado dando lugar a importantes mobilizações de estudantes, e eu fui uma parte importante na Coordenadora de Estudantes de Asturies e com outros companheiros e companheiras fazíamos assembleias de ate 2000 alunos. Recém cumpridos os 18 anos galeguicei o meu nome de Miguel Angel a Miguel Anxo e fixem diante da Delegação do Governo entrega dum impresso onde me declarava objetor de consciência e me negava a colaborar com o exército espanhol. A aquelas alturas não existia lei de objeçao de consciência. Quando rematei os dois anos de especialização em saúde ambiental após fazer bacharelato voltei para a Galiza integrando-me a colaborar durante um pequeno período com o SLG-CCLL, depois desse breve tempo incorporei-me na estrutura de Galiza Nova (formei parte da assembleia constituinte) e convertei-me em liberado do BNG. Entrementes morei na cidade de Lugo participei em movimentos ecologistas entre os que destaca a Plataforma para a defensa do Rio Miño mas sobre todo participei no movimento de ojeçao e insubmissão ao exercito espanhol. A minha insubmissão ao exercito espanhol fiz que fosse julgado e condenado 2 anos 4 meses e um dia de cárcere. Cumpri a condena no cárcere da Corunha de monte alto em regime de 3º grão. Coincidindo com o meu passo pelo cárcere fui liberado da CIG na comarca da Corunha da Federação de Alimentação e Têxtil. O meu abandono da CIG foi decisão própria e ainda a dia de hoje pago a minha quota mensal. Aos poucos meses de vir viver a Minho montei com outros vizinhos e vizinhas o BNG no meu Concelho. Fui o seu representante na corporação durante 8 anos. A minha marcha do BNG, penso eu, não se fiz com deslealdade e foi anterior a marcha do grupo liderado por Beiras. Os motivos principais pelos que marchamos: o abandono do BNG do assemblearismo, o forte auto-nomismo das suas políticas e o discurso cada vez menos de esquerda. Marchei do BNG com um grupo de militantes que conformávamos o MpB. Pessoas do MpB entramos em ANOVA mais negamos-nos a assinar a coa-lição com IU para as eleições galegas. Quando ANOVA decide participar no processo eleitoral das eleições europeias e integrar-se no euro-grupo de IU, chimpo-me fora e deixo de ter militância partidária. Nas municipais vendo que o BNG começa a ter um discurso mais coincidente com o meu decido apoiar a sua candidatura como independente. Nos últimos anos participei mui ativamente na denuncia das problemática dos incêndios florestais tendo ajudado a montar e sido Portavoz da Plataforma para a defensa das Fragas do Eume, recolhido assinaturas encontra da política florestal da Xunta, convocado manifestações e entregado propostas à administração com outras movimentos ecologistas da Galiza.

INICIATIVA POLA UNIÓN.

A respeito de IpU dizer que assinei o seu manifesto ao igual que o do 25 de Julho sem reparo nenhum e que participei ativamente na sua criação. Também assinei o manifesto do Encontro por Unha Marea Galega e fui um ativo defensor da confluência deste movimento com IpU ajudando a forçar o debate e posterior votação ,que por desgraça perdemos.

ARREDISMO:

Declaro-me abertamente arredista. O arredismo é o termo com o que nos definimos as pessoas que na Galiza defendemos a causa nacional galega articulada com os postulados decrescentistas, eco-feminismo, auto-gestão, movimentos de transição, ….

A MINHA CANDIDATURA AO SENADO.

A minha candidatura busca quatro finalidades:

1ª.-Apoiar o processo de assembleiarismo total impulsado pelo nacionalismo e que se consuma com o sistema de primárias no qual estou participando.

2º.-Ajudar a transmitir a imagem que a política não é só coisa de profissionais políticos, funcionários ou profissionais liberais que também e coisa de assalariados e de pequenos autónomos.

3º.-Introduzir no debate político do nacionalismo galego a ideia de que se pode ser um patriota galego desde postulados e propostas de futuro amplamente diferentes.

4º.-Introduzir no debate político sobre o futuro para Galiza as propostas do arredismo.

 

Hoje convido-te a ajudar a publicar o seguinte livro:

http://www.esquerda.colapso.info/doku.php?id=crowdfunding

Podes buscar mais informação sobre as minhas propostas e analises em:

www.repensando-o-futuro.com

https://www.facebook.com/miguelanxo.abraira

http://www.sermosgaliza.gal/opinion/autor/000371/miguel-anxo-abraira

http://praza.gal/perfil/442/miguel-anxo-abraira/

Unha idea sobre “A quem votas, votando a Miguel Anxo Abraira!

  1. Grazas polo repaso vital que nos forneces e pola difusión do meu libro, que será publicado por Véspera de Nada e Touda á vista de que non tiñamos ningunha seguridade de que a Editorial Corsarias, quen hai 1 ano se ofrecera a publicar, fose finalmente facelo.

    Obrigado também polo teu apoio para fazermos possível que veja finalmente a luz o livro, companheiro!

Deixa unha resposta

O teu enderezo electrónico non se publicará Os campos obrigatorios están marcados con *